'Cartão vermelho do presidente não foi para mim', diz Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que a desistência da criação do programa Renda Brasil foi tomada pelo presidente Jair Bolsonaro. "É uma opção política do presidente que também tomou a decisão de estender o auxílio [emergencial] até o fim do ano", afirmou o ministro em live.

Segundo o ministro, também caberá a Bolsonaro a decisão sobre o auxílio emergencial a partir de janeiro. A expectativa é que seja pago diretamente aos beneficiários do Bolsa Família, sem passar por um novo programa de assistência social.

A fala de Bolsonaro mais cedo surpreendeu a todos como se fosse uma indireta para Guedes. “Acordei hoje surpreendido por manchetes em todos os jornais… Eu já disse há poucas semanas que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar ao paupérrimos. Quem porventura vier propor para mim uma medida como essa, só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa”, afirmou o presidente, em live.

Ao que Guedes respondeu que "o cartão vermelho não foi para mim, esclarecendo para todos". Essência da política é decidir sobre como gastar o recurso público. 

"Por exemplo, se desindexarmos todos os gastos, há uma parte que pega os mais vulneráveis como idosos com BPC; aí você fala que o governo está tirando dinheiro dos mais frágeis para fazer o Renda Brasil. Não é isso que estava no pacto federativo, era uma desindexação de todos os gastos", acrescenta.

Fonte: CNN